Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

livrosquesãoamigos

livrosquesãoamigos

20190828_133946.jpg

A doçura de Mia Couto é extravasante.

Todas as letras são suaves, todas as palavras como que murmuradas, em vez de escritas.

Já tinha lido "Venenos de Deus, Remédios do Diabo" e ficado presa da sua escrita, das suas histórias, das suas amendoadas histórias.

"Na berma de nenhuma estrada" é um livro de contos, bem pequeninos, alguns deles com o seu quê de magia.

Atentem bem nestes inícios de alguns deles:

_ Era uma vez o menino, tão minimozito que todos os seus dedos eram mindinhos. Dito assim, fino modo, ele, quando nasceu, nem foi dado à luz mas a uma simples fresta de claridade.

_Diamantinha chorava tão bem que as pessoas vinham de longe e lhe pediam- chora por mim, Diamantinha.

_Estou aqui no sopé da estrada, à espera que alguém me leve. Um qualquer, tanto faz. Basta que passe e me leve. É meu sonho antigo: sair deste despovoado, alcançar o longe.

Ou este final:

_ Debruçando-se sobre a cadeira do marido, Lucinha beija-lhe longamente a testa. Tão longamente que ele adormece, se afundando no rio do tempo, mais denso que a própria vida.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.